Luz e Sombra

INTRODUÇÃO à LUZ & SOMBRA (Chiaroscuro):

A luz e a sombra, são os elementos básicos para produzir o efeito de Volume nos objectos. A técnica  do chiaroscuro (claro e escuro) foi desenvolvida principalmente por Da Vinci no alto renascimento (século XVI), quando os artista e arquitetos desenvolveram consideravelmente as técnicas de representação aplicadas à arte e à arquitetura.


O volume no desenho depende da luz, e por consequência das sombras que este produz. A definição correcta do volume dum objecto se consegue através da valorização exacta das intensidades das suas sombras.

Linda Huber

Podemos definir dois tipos de sombras, as próprias e as projectadas.
As sombras próprias são as que origina o objecto em si próprio e as projectadas são aquelas que ele produz nas superfícies vizinhas.
Também se deve ter em consideração os reflexos produzidos pela luz, que projectam as superfícies ou objectos vizinhos já que estas aclaram a sombra própria. Entre a luz e a sombra há uma zona de transição ou de “meia sombra” que pode variar em extensão dependendo da intensidade da luz.

Para melhorar os efeitos de luz e sombra deve-se observar os lápis usados. Para áreas mais escuras dê preferencia aos lápis mais macios (de 4B em diante); para árreas bem claras ou meios tons dê preferência aos mais duros da série B (do 2B ao 3B):

Os efeitos de luz e sombra podem ser conseguidos com passagens suaves entre os tons. O esfuminho é um bom material para quem gosta deste efeito (que pode também ser substituído pela ponta do dedo, ou tecido macio).

Desenho de André Lima

Observe como o desenhista consenguiu um efeito realista no desenho principalmente através do contraste entre áreas claras muito iluminadas e sobras profundas em pequenas regiões. os meios tons foram esfumados o que ajudou no efeito fotográfico da imagem.

Outras formas de se trabalhar os volumes no desenho podem ser feitos através de traços mais caligráficos, como rabisco e hachuras e até pontos e manchas.

As tabelas acima mostram as correspondências entre a escala de cinza esfumada e algumas texturas hachuradas.

Exemplos de traços mais caligráficos

Desenho com carvão com traços mais caligraficos aplicados

Desenho do arquitecto russo Yakov Chernikhov (c. 1940)

Desenho de Christian Azevedo

Mas deve-se tomar cuidado para que o desenho não fique sem contraste, ou seja, sem muita diferença entra as áreas mais claras e escuras. Muitas vezes o desenhista iniciante tem medo de escurecer áreas do desenho, por conseguinte seu resultado pode ser um desenho muito pálido. O contrário também deve ser observado; alguns tendem a ter um traço muito pesado e o desenho sempre resulta muito escuro, carregado e sem áreas iluminadas.

Imagem sem contraste, muito escura.

Desenho com pouco contraste, muito clara. (antes)

Depois com mais contraste, melhor; porém o desenhista escureceu uma área muito extensa no rosto do menino. Podia ter preservado a luminosidade da testa e das bochechas. O desenho continua sem peso…

Fontes:

http://www.amopintar.com/luz-e-sombra

http://www.geocities.com/atelieoficina/Luzsombra.html

http://andredelima.blogspot.com

ttp://oficina-desenho.blogspot.com

http://indefatigable42.deviantart.com/art/Crosshatching-Tutorial-14395151

____________________________________

AULA I:

Dando volume a uma esfera, ou sombreamento básico.

A aula abaixo foi criada e desenvolvida por Antonio Juvenil – Todos os direitos reservados (*)

aula sombra1

aula sombra2

aula sombra3

aula sombra4

aula sombra5

aula sombra6

aula sombra7

aula sombra8

aula sombra9

aula sombra 10

aula sombra 11

aula sombra 12

aula sombra 13

Untitled-11

(*) Link para o site sobrearte